Juvenis A: Mister encontrou humildade onde pensava reinar a arrogância

Agosto 16, 2018

Admite que tinha uma visão distorcida sobre o clube que agora representa. Onde um dia pensou reinar a arrogância, Vasco Botelho da Costa encontrou "humildade, expetativa realista e capacidade de trabalho". Aos 29 anos, depois de duas décadas dedicadas a outro dos maiores símbolos do Concelho - o Dramático de Cascais-, o novo treinador dos Juvenis A assume que vai trabalhar para que os seus jogadores possam, no futuro, continuar ligados ao clube.

O que mais te surpreendeu no clube desde que chegaste?

Vasco Botelho da Costa - O Estoril Praia está presente no meu radar desde muito cedo. Toda a minha infância foi passada no concelho de Cascais, onde também tive a oportunidade de me iniciar no futebol como atleta. Sempre vi o Estoril Praia como o clube de referência da nossa terra. Há quem facilmente confunda a grandeza com arrogância e, por vezes, essa foi a imagem que passou para alguém como eu, que esteve ligado a clubes que, no que ao futebol diz respeito, não tinham nem têm esta capacidade de expressão. A grande surpresa foi, sem dúvida, sentir que aqui no Estoril Praia reina a humildade, a expetativa realista, a capacidade de trabalho e acima de tudo, algo que me faz hoje sentir unha com carne com as funções que aqui desempenho, os valores defendidos e incutidos a todo o universo Estoril Praia. E essa, é sem dúvida, a grandeza desta família.

"Aqui no Estoril Praia reina a humildade, a expetativa realista, a capacidade de trabalho"

Quais são objetivos para esta nova época?

VBC  -  Aquilo me me deixaria cem por cento satisfeito seria chegar ao final da época e ver grande parte dos jogadores sub-17 do Estoril Praia conseguiriam transitar para o plantel de sub-19. E esse é, sem dúvida, o foco, uma vez que este ano representa apenas mais um degrau em toda está pirâmide que é a formação de atletas. Não quero com isto fugir àquilo que, muitas vezes erradamente, é o verdadeiro foco deste processo, o resultado. E sobre isso digo que a expetativa mínima é continuar entre os melhores clubes do país, no campeonato nacional e, paralelamente, sentir que, jornada após jornada, conseguimos lutar pelos três pontos contra todos os adversários.

"Objectivos? Ver grande parte dos jogadores sub-17 do Estoril Praia a conseguir transitar para o plantel de sub-19 e continuarmos no campeonato nacional"

Tens fama de ser muito exigente, em que se traduz essa exigência?

VBC - A exigência é algo é indispensável neste contexto. Estamos numa realidade extremamente seletiva, onde apenas os mais bem preparados nas mais variadas vertentes humanas e atléticas conseguem subsistir. Olho para a exigência de duas formas: em primeiro lugar, devido à seriedade e rigor com que encaro o dia a dia de uma equipa de futebol. É algo que diariamente tento incutir nos atletas do Estoril Praia, pois só assim será possível crescer e conseguir ultrapassar os obstáculos presentes em cada treino, e em cada jogo. Paralelamente, é extremamente importante para mim passar a mensagem de que, na realidade, todos nós, staff e atletas, somos uns privilegiados por poder usufruir da oportunidade de fazer aquilo que gostamos, num ambiente muito favorável e familiar, com umas condições de nível alto, algo que infelizmente não está a acessível a muitos jovens por esse país e mundo fora. E quando assim é, darmos o nosso melhor e aproveitarmos essa oportunidade, é o mínimo exigível.

Como é que o teu trabalho enquanto coordenador de scouting pode ajudar neste novo desafio?

VBC  - Hoje em dia olhamos para uma estrutura de uma equipa de futebol e vemos muito mais do que o treinador e os jogadores. Cada vez mais vemos o fisiologista, o preparador físico, o analista de jogo e, sinceramente, penso que caminhamos a passos bem largos para uma especialização total de todo o staff envolvente às equipas. O detalhe é cada vez maior e o trabalho para o prever e controlar faz com que as estruturas sejam cada vez mais desenvolvidas e multifacetadas. No entanto, acredito que no final de todo este processo cada vez mais profundo e rigoroso, continua a prevalecer a qualidade dos jogadores. Com isto é fácil entender que o facto de estar ligado ao scouting é extremamente vantajoso para conhecer os verdadeiros intervenientes de todo este processo, não só na perspectiva de saber quem trazer para uma melhoria da qualidade do nosso grupo, mas também para um melhor conhecimento dos adversários.

"O #AquiNaoEsMaisUm é mais do que uma imagem de marca, um rótulo ou uma mensagem para o exterior. É  algo que se vive e que todos conseguimos facilmente identificar"

#AquiNaoEsMaisUm é a assinatura do nosso clube. Qual é a responsabilidade do treinador na concretização dessa ideia?

VBC  - Este é um lema que traduz aquilo que de mais próprio este clube possui: Valores e Identidade. Mais do que uma imagem de marca, mais do que um rótulo ou uma mensagem para o exterior, isto é algo que se vive no dia a dia do clube e é algo que quem o vive e representa diariamente consegue facilmente identificar. E quando, repetindo-me mais uma vez, existe uma comunhão de ideias, essa responsabilidade transforma-se em algo natural e comum a toda a nossa atividade diária. É, portanto, mais do que uma responsabilidade, uma forma de estar própria e única representativa do ADN Estoril Praia.

Domingo, 19 de Agosto, 11 horas

Estoril Praia x Belenenses


Comments


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *