“Os seniores vão sofrer uma mudança estratégica”

18 Junho, 2021

Hugo Leal já tem os olhos na nova época e não vira as costas às responsabilidades. O diretor para futebol de formação promete jogadores experientes e com ADN Estoril Praia na equipa sénior e avisa que no futebol feminino, apesar de estar a preparar uma equipa competitiva, não é possível entrar em loucuras financeiras.

Qual o balanço que fazes desta época atípica? Foi um ano de grandes desafios onde o universo da formação estorilista se desdobrou em funções e multiplicou em criatividade. Foi um ano de perdas de aquisição físicas e de conteúdos técnico/tácticos, mas também foi um ano que pôs à prova a nossa resiliência e capacidade de adaptação e superação. Considero que foi um ano de aprendizagens onde, dentro de tanto prejuízo é também possível sacar algumas coisas boas. Não conhecíamos e sabíamos tanto dos nossos atletas como ao dia de hoje. Do ponto de vista desportivo, temos de lamentar a descida de divisão da equipa sénior masculina, mas já estamos a trabalhar num projecto novo.

A LIGA BPI está a tornar-se muito competitiva, com vários clubes a fazerem elevados investimentos. O Estoril Praia está em condições de seguir essa linha? A Liga BPI continua a ser um desafio difícil de acompanhar e notou-se claramente nas dificuldades que tivemos este ano para mantermos categoria. Os atuais investimentos de clubes da mesma divisão, e inclusivamente de divisões inferiores, começam a cavar um fosso entre aqueles que, como nós, não encontram forma de angariar receitas e ter retorno ao nível do investimento necessário. Há muito boa vontade e dedicação do clube para ajudar o futebol feminino a crescer, mas não vamos entrar em loucuras que possam hipotecar o futuro só para lutar pelos primeiros lugares. Isso não é possível e temos de ser muito claros. Ainda assim, vamos apresentar-nos competitivos na próxima temporada e temos muita esperança em continuar a dar palco para que atletas e treinadores possam alcançar o mais alto patamar do futebol feminino.

“Há muito boa vontade e dedicação do clube para ajudar o futebol feminino a crescer, mas não vamos entrar em loucuras que possam hipotecar o futuro”

Qual o projecto para a equipa sénior masculina na próxima época? O projecto sénior masculino sofrerá uma mudança de estratégia. Mais do que termos sido despromovidos de categoria, fica o sabor amargo de não termos conseguido ajudar os nossos atletas a aproximar-se dos seus objetivos. Foi sempre um projecto que beneficiou de pouco investimento e nunca conseguiu afirmar-se como o topo da pirâmide na nossa formação.
Não querendo ilibar-nos de culpas, mas porque o tempo não vai parar para lamentações, já estamos com os olhos no futuro, corrigindo e limando aspectos que permitam a tal mudança estratégica pretendida.
A equipa será constituída por atletas com maior experiência, grande parte deles com histórico e ADN Estoril Praia, procurando criar um entorno exigente e muito competitivo que surja como um desafio para todos os que integrem o grupo. Daremos mais ênfase ao resultado como forma de posicionar e promover melhor os nossos atletas e teremos claros objectivos para os próximos dois anos. Naturalmente manteremos o foco e os valores que tanto caracterizam o clube e o fazem Mágico.

“A equipa será constituída por atletas com maior experiência, grande parte deles com histórico e ADN Estoril Praia, procurando criar um entorno exigente e muito competitivo que surja como um desafio para todos os que integrem o grupo.”

Mais de 10 jogadores que foram campeões na equipa de sub-23 passaram pela formação do clube. É esse um sinal de que o trabalho começa a dar frutos? Os resultados dos Sub23 e da equipa profissional são total mérito do bom trabalho desenvolvido pela EPS. A formação beneficia claramente por todos os resultados alcançados no campo mas, mais do que isso, congratula o atrevimento e aposta em atletas e treinadores oriundos da formação. Hoje, os atletas e treinadores que integram as equipas jovens do clube sabem que o trajecto é selectivo e difícil mas, que têm possibilidades de alcançar o futebol profissional pela mão do Estoril Praia.
Temos crescido a todos os níveis, quer na vertente infraestrutural como não o poderíamos estar mais orgulhosos das nossas equipas técnicas e do trabalho que apresentam no desenvolvimento dos atletas do clube, seja na vertente desportiva como pessoal. Penso que é consensual que o Estoril Praia é hoje uma das referências na formação em Portugal.

Outro sinal é o encaixe que o clube tem feito com os direitos de formação…
Felizmente temos tido um encaixe importante para a estabilidade financeira no clube, ainda mais nesta fase Covid19, que é os valores sobre os direitos de formação de atletas que chegam ao futebol profissional, bem como a taxa de solidariedade em transferências desses mesmos ex-atletas da formação. Foi sem dúvida um acréscimo significativo nas receitas do clube que se deve ao excelente contributo e qualidade dos quadros técnicos do clube, e que têm permitido investir em infra-estruturas e material visando exactamente manter o standard qualitativo de treino que possa regenerar mais receitas através da chegada de novos atletas ao futebol profissional. O trabalho que foi feito nos últimos anos foi precisamente para chegarmos a este ponto, em que a formação gera receita para potenciar ainda melhor formação. Iniciámos agora um ciclo virtuoso que não pode ser interrompido, nem com aventuras, nem com loucuras.

“Penso que é consensual que o Estoril Praia é hoje uma das referências na formação em Portugal. Iniciámos agora um ciclo virtuoso que não pode ser interrompido, nem com aventuras, nem com loucuras.”

Este ano voltámos a ser reconhecidos como entidade certificada por parte da FPF, o que é que isso significa em termos práticos? A certificação como Entidade Formadora tem sido um processo muito exigente que nos tem feito crescer muito. Permitiu que protocolássemos todos os processos realizados no clube, alguns deles com muitos anos de existência, mas sem estarem registados os procedimentos. Há neste processo muitos aspectos difíceis de cumprir, por falta de meios ou espaço de treino mas, estamos orgulhosamente num patamar de organização e qualidade muito satisfatório. Julgo que o que nos falta para subir patamares é exclusivamente recursos financeiros.

“Julgo que o que nos falta para subir patamares é exclusivamente recursos financeiros.”

Como estão a correr os projetos das escolas de futebol do Estoril Praia fora da Amoreira? As Escolas Estoril Praia (EEP) têm tido muito sucesso pela qualidade apresentada, conseguindo que os valores do clube cheguem a mais praticantes e também ajudando os clubes parceiros na sua reestruturação e crescimento. Gratos à Credibom que tem sido mais do que um parceiro com laços de familia, partilhando valores, expandindo a marca e a nossa forma de estar para além fronteiras.


Comments

  1. Francisco Braga - 18 Junho, 2021 a 22:26

    Uma entrevista franca de um excelente e dedicado diretor, mas que me desperta alguns comentários de fundo. Obrigado Hugo, viva o Estoril Praia!

    Responder

Responder a Francisco Braga Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *